OZÔNIO CORONAVIRUS COVID-19

OZÔNIO CORONAVIRUS COVID-19

A camada mais baixa da Terra, conhecida como troposfera, está em contato com a superfície da Terra e se estende a uma altitude de cerca de 10 km. A próxima camada ascendente é chamada estratosfera e se estende do topo da troposfera até cerca de 50 quilômetros acima do solo. O ozônio é um gás natural localizado na estratosfera.

A conhecida “camada de ozônio” atua como um escudo contra alguns danos causados ​​pelo UV no DNA celular, protegendo assim a vida na Terra. Essa camada possui uma concentração de ozônio de 10 a 2 ppm (partes por milhão).

O ozônio é um gás composto por três átomos de oxigênio (O3). É criado principalmente pela radiação ultravioleta. Quando os raios ultravioletas de alta energia atingem moléculas comuns de oxigênio (O2), eles dividem a molécula em dois átomos de oxigênio individuais, conhecidos como oxigênio atômico. Um átomo de oxigênio liberado combina-se com outra molécula de oxigênio para formar uma molécula de ozônio. Como um alótropo de oxigênio, o gás azul pálido tem um odor nitidamente pungente. A palavra ozônio vem da palavra grega OZEIN, que significa “cheirar”.

Falamos de limpeza em termos de erradicação de microrganismos patogênicos, bactérias, vírus e protozoários em contato com pessoas, objetos e roupas.

Devido às características desse gás, pode-se dizer que, uma vez executada a função de eliminação de patógenos, ele se decompõe e não deixa resíduos químicos. Essa é uma das vantagens mais importantes do ozônio em relação a outros agentes químicos comumente usados ​​para os mesmos fins.

Contra o coronavírus (COVID-19), o ozônio está sendo usado para melhorar o meio ambiente, graças à inquestionável capacidade permanente de limpeza do ozônio. É uma solução para minimizar os riscos e ajudar a evitá-los. Em áreas sensíveis à propagação do contágio causado pelo coronavírus, são necessários geradores de ozônio, pois, como dizemos, elimina microrganismos como vírus, esporos, fungos e bactérias em décimos de segundo. É uma solução sustentável e segura para a saúde que reduz o risco de expansão do Coronavírus.

Pesquisas relacionadas promovem o uso do ozônio na luta contra o atual surto de coronavírus (Covid-19). Uma vez que oxida diretamente a parede celular de inúmeras espécies de microorganismos. A oxidação direta da parede celular é seu principal modo de ação e é por isso que o ozônio é conhecido por ser um desinfetante. Também causa danos ao DNA e ao RNA e, graças a isso, os microrganismos não desenvolvem imunidade ao ozônio.

Deve-se notar que o ozônio tem sido usado como biocida há décadas, mas se não foi definido como tal, foi devido à sua produção in situ e à incapacidade de ser embalado como outros biocidas convencionais menos viricidas que o ozônio.